Dia da Consciência Negra: ‘A discussão do racismo foi sequestrada politicamente’, diz Paulo Cruz

Pânico recebeu o professor Paulo Cruz e o humorista Yuri Marçal para discutir o Dia da Consciência Negra

  • Por Jovem Pan
  • 19/11/2019 14h24
Jovem PanYuri Marçal e Paulo Cruz foram os convidados do Pânico nesta terça-feira (19)

Pânico recebeu nesta terça-feira (19) o professor Paulo Cruz e o humorista Yuri Marçal para discutir racismo e o negro na sociedade brasileira, em homenagem ao Dia da Consciência Negra, nesta quarta-feira (20).

Paulo Cruz defendeu que a discussão sobre racismo no Brasil ganhou um viés político nos últimos anos. “A discussão do racismo foi sequestrada politicamente, só se pode falar do racismo dentro de uma certa perspectiva política”, reclamou o professor.

O historiador também comentou o sistema de cotas raciais nas universidades públicas e afirmou que não concorda com o programa. “Não acho cota um negócio legal. Acho uma crueldade a gente não olhar para o ensino básico para olhar lá na ponta”, disse o professor, que trabalha no ensino básico.

Ele ainda desmentiu que negros só passaram a frequentar a universidade só depois das cotas. “Os negros sempre fizeram faculdade. Eu fiz, meu pai fez, meus irmãos fizeram”, exemplificou. “Fazem menos, há um expediente histórico importante que precisa ser levado em consideração, mas de repente passou-se a dizer que o negro não fazia faculdade antes do sistema de cotas”, continuou.

Já o humorista Yuri Marçal participou do programa “fantasiado” de homem branco e ironizou a discussão. Ele afirmou que a conversa sobre racismo já está batida e não deveria estar mais acontecendo. “Fica caminhando uma conversa em círculos que não tem resultado efetivo”, disse, sarcasticamente.