Carlos Andreazza: ‘Bolsonaro não foi eleito imperador’

  • Por Jovem Pan
  • 30/05/2019 14h22
Jovem PanCarlos Andreazza foi o convidado do Pânico nesta quinta-feira (30)

O comentarista da Jovem Pan Carlos Andreazza foi o convidado do Pânico nesta quinta-feira (30) e falou sobre o primeiro semestre do governo de Jair Bolsonaro. Ele afirmou que a população espera que o presidente faça mais coisas do que ele realmente tem poder para fazer. “Bolsonaro não foi eleito imperador, não pode passar o trator por cima do Congresso”, disse.

O comentarista do 3 em 1 destacou que Bolsonaro foi eleito por uma insatisfação popular com a política. “A maior expressão eleitoral do Jair Bolsonaro é uma insatisfação grande com o estado das coisas no Brasil”, afirmou. “O Bolsonaro é a expressão da crise, não a solução da crise”, contou.

Apesar de defender o Congresso, Andreazza criticou os parlamentares. “É o pior parlamento de todos os tempos, a matéria humana é ruim, mas é com esse que temos que seguir”, lamentou. “O Congresso é a representação do povo brasileiro, foram eleitos com mais votos que o Bolsonaro.”

Como conservador, o comentarista preza pela defesa das instituições. “Tem um processo discursivo de que o Bolsonaro se vale que diminui esse ambiente de equilíbrio entre os poderes”, afirmou, citando ataques da população ao Legislativo e ao Supremo Tribunal Federal (STF). “Ele foi eleito presidente da República em um ambiente de democracia representativa em que os poderes freiam uns aos outros”, disse.

Criminalização da política

O jornalista também criticou o que ele chama de criminalização da política. Andreazza acredita que a Operação Lava Jato, apesar de todos os acertos, criou um clima em que a população acha que todos os políticos são corruptos.

“Uma coisa é a lava jato identificar padrões e punir culpados, outra coisa é um discurso de que todo ambiente em que aquilo se dá é um ambiente criminoso”, explicou.