FAB vai investigar se helicóptero que fez pouso forçado em SP estava irregular

  • 17/01/2020 07h29
ReproduçãoAs autoridades apuram ainda se o peso e o calor teriam contribuído para a queda inesperada

Um helicóptero fez um pouso de emergência num edifício da avenida Brigadeiro Faria Lima, na zona sul da capital paulista, na manhã da última quinta-feira (16). O imóvel abriga a sede do Itaú BBA.

As causas da descida forçada num gramado no teto do prédio localizado numa das regiões mais nobres e movimentadas da cidade, ainda são desconhecidas.

A aeronave, prefixo PP-MFM e modelo Robison 44, pertence a Nara Lucia Zamparett — mas tem como operador a empresa Limbergger e Reus Taxi Aéreo.

A aeronáutica investiga se estava sendo utilizada num fretamento — pois não possuía autorização para esta finalidade — ou numa viagem particular. O helicóptero teria alçado voo de um edifício próximo ao local do incidente.

As autoridades apuram ainda se o peso e o calor teriam contribuído para a queda inesperada. Incluindo o piloto, quatro pessoas estavam à bordo.

O Comandante Domingos Afonso de Deus, diretor-geral da Associação Brasileira de Táxi Aéreo, indica que a as investigações tem que ser rigorosas.

“Os passageiros tiveram muita sorte, poderiam ter perdido suas vidas. A informação preliminar é de que esse voo era de TACA – táxi-aéreo clandestino. Não podemos afirmar. Investiguem com muito rigor.”

Ele acrescenta nem todo mundo está apto a voar e que a Agência Nacional de Aviação Civil precisa facilitar o acesso aos usuários sobre informações de operadores e pilotos.

Apesar do grande susto, ninguém ficou ferido.

*Com informações do repórter Daniel Lian