MP do Paraguai denuncia nove suspeitos do assassinato de jornalista brasileiro

O grupo preso na ação realizada neste sábado, que contou com apoio da Polícia Nacional, prestou depoimento nesta manhã

  • Por Jovem Pan
  • 23/02/2020 20h39
Reprodução/FacebookJornalista brasileiro Léo Veras foi executado por pistoleiros na fronteira de MS com o Paraguai

O Ministério Público do Paraguai denunciou neste domingo (23) por associação criminosa e violação da lei de armas nove dos dez detidos por suposto envolvimento com o assassinato do jornalista brasileiro Léo Veras, na cidade de Pedro Juan Caballero, próximo a fronteira com o Brasil.

Neste domingo, o grupo preso na ação realizada neste sábado, que contou com apoio da Polícia Nacional, prestou depoimento pela manhã aos promotores do caso, segundo o órgão informou por meio de comunicado.

Todos se recusaram a falar, ainda conforme as informações do MP. Com isso, nove deles tiveram prisão preventiva decretada, incluindo uma mulher condenada a dez anos no Brasil por tráfico de drogas e ligação com o Primeiro Comando da Capital (PCC). Ela seria extraditada, mas comprovou ter cidadania paraguaia.

O último dos dez detidos, um homem boliviano, deverá ser expulso do Paraguai e enviado para o país de origem.

Neste sábado, agentes da Polícia Nacional e promotores realizaram buscas em 19 endereços ainda durante a madrugada. Além dos detidos, ainda foi apreendido um carro, diversas armas e aparelhos celulares.

O promotor Marcelo Pecci confirmou neste domingo que a arma utilizada para matar Veras já havia sido utilizada em outros sete assassinatos no Paraguai.

A investigação busca identificar se o grupo que matou o jornalista brasileiro, que tinha um site de notícias policiais em português e espanhol, fazem parte de uma quadrilha de assassinos profissionais.

Segundo a polícia, Veras foi atingido no quintal de casa por cerca de 12 tiros de pistola 9 milímetros, sendo que um dos disparos acertou a cabeça da vítima, que ainda tentou fugir. Ele chegou a ser encaminhado para um hospital da região, mas não resistiu aos ferimentos.

*Com informações da EFE