Brasil apoia embargo dos EUA a Cuba pela 1ª vez; ONU pede fim bloqueio

  • Por Jovem Pan
  • 07/11/2019 16h43 - Atualizado em 08/11/2019 10h03
PixabayBrasil apoia embargo dos Estados a Cuba. ONU defende fim do bloqueio

A Assembleia Geral da ONU pediu nesta quinta-feira (7) mais uma vez o fim do embargo americano contra Cuba, aprovando uma resolução apoiada por 187 dos 193 países membros e com votos contra dos Estados Unidos e Israel, além do Brasil, que pela primeira vez mostrou apoio ao bloqueio.

Além disso, Colômbia e Ucrânia se abstiveram, e a Moldávia optou por não exercer o direito de votar sobre a resolução em prol do fim do “embargo econômico, comercial e financeiro” à ilha.

No ano passado, apenas Estados Unidos e Israel foram contra, enquanto Moldávia e Ucrânia, que se abstiveram este ano, optaram por não votar.

Às vésperas da votação, o ministro das Relações Exteriores cubano, Bruno Rodríguez, denunciou uma “pressão” dos Estados Unidos sobre os países latino-americanos para obter votos contra o projeto de resolução que Cuba apresenta anualmente às Nações Unidas para condenar o embargo.

Entretanto, nos últimos dias, a grande maioria dos países mostraram respaldo a Cuba na petição do fim das medidas impostas pelos EUA. Pouco antes da votação, a nova representante permanente dos EUA junto às Nações Unidas, Kelly Craft, acusou a comunidade internacional de questionar o direito de seu país escolher com quem comercializar.

“Como todas as nações, decidimos com quais países negociamos. Este é nosso direito soberano, estamos preocupados que a comunidade internacional, em nome da proteção da soberania, continue questionando este direito”, disse Craft em pronunciamento na Assembleia Geral da ONU.

A declaração foi rechaçada por muitos países em seus discursos, incluindo os estados membros da União Europeia, que, através de um pronunciamento do representante da Finlândia na ONU, Jukka Salovaara, afirmou que a “aplicação extraterritorial” de sanções pelos EUA “afeta os interesses da UE”.

Salovaara se referia, entre outros aspectos, ao Título 3 da Lei Helms Burton, reativado pelo governo Donald Trump, que permite que empresas de terceiros países supostamente beneficiadas por propriedades em Cuba que foram expropriadas após a revolução liderada por Fidel Castro em 1959, sejam processadas nos tribunais americanos.

*Com informações da EFE

  • Tags: