Reserva de emergência: saiba como ter a sua para nunca mais passar sufoco

  • Por Jovem Pan
  • 13/11/2019 18h41 - Atualizado em 03/12/2019 11h45

Ninguém está livre dos imprevistos da vida, seja ela uma despesa médica de última hora, um gasto inesperado ou uma situação de desemprego que pega qualquer um de surpresa. Em momentos como esses, a reserva de emergência, ou seja, aquele dinheiro guardado para momentos de aperto, pode ser importante! 

Sem essa reserva fica praticamente impossível superar momentos de dificuldades e, no desespero, muitas pessoas acabam recorrendo aos empréstimos. Assim, com as taxas abusivas e juros altíssimos, a chance de ficar com o nome sujo é grande.

É imprescindível pensar em maneiras de montar uma reserva o quanto antes e, para auxiliar nessa missão, separamos seis passos que irão te auxiliar ao longo de todo o processo.

 

  • Entenda o que é emergência 

 

Cinema, balada, celular novo são emergências? Nem sempre. Existem problemas de verdade para nos preocuparmos e é importante determinar o peso de cada uma daquelas que enxergamos que sejam nossas necessidades. Separe as prioridades dos gastos supérfluos! 

 

  • Fique de olho nos seus ganhos e gastos

 

Para reservar, é importante conhecer seu custo de vida, ou seja, saber quanto por mês é gasto com você ou sua família. Para isso, anote tudo no papel ou em uma  planilha de controle financeiro no computador para deixar tudo sempre em ordem. 

Conhecer o próprio hábito de consumo ajuda a não perder o controle do que entra e sai da sua conta. 

 

  • De quanto eu preciso?

 

Com as contas organizadas, você conseguirá enxergar o seu custo de vida. Especialistas em finanças sugerem guardar uma quantia que cubra o seu custo de vida por no mínimo 6 meses. 

Exemplo: se você tem gastos que somam R$ 2 mil, sua reserva precisará de no mínimo R$ 12 mil. Para autônomos e microempreendedores, o ideal é fazer uma reserva de emergência considerando o total de 12 meses de despesas por conta da instabilidade nos negócios.  

 

  • Poupança já era!

 

Poupança não é investimento! Por isso, não dá para deixar o dinheiro da sua reserva de emergência na poupança. Investir é fazer o seu dinheiro virar mais dinheiro e, embora muitas pessoas tratem o assunto com complexidade, é um hábito fácil. Veja como começar a investir com pouco dinheiro em Tesouro Direto e deixe a poupança para trás de uma vez por todas.

 

  • Onde invisto?

 

Primeira coisa a fazer é levar em consideração que o dinheiro da reserva de emergência precisará estar à sua disposição para quando você precisar. Por isso, investimentos que tenham liquidez diária (ou seja, que permitam que você os resgate da conta quando bem entender), e que sejam conservadores (que tenham baixo risco) são os mais indicados. 

Exemplo: Tesouro Direto Selic, CDB (Certificado de Depósito Bancário) com liquidez diária, Fundos de Renda Fixa, Fundos DI etc. 

 

 

  • Como começar?

 

Montar uma reserva de emergência exige disciplina e organização. Nada disso dá mais trabalho do que ficar sem saber o que fazer por não ter dinheiro quando se mais precisa, pode apostar. 

Comece a partir de apenas R$ 35 no Tesouro Direto. Chega de perder dinheiro e tenha uma reserva de emergência para chamar de sua.