Coronavírus: Argentina suspende retorno de cidadãos que estão no exterior

  • Por Jovem Pan
  • 25/03/2020 21h06
EFE/Juan Ignacio RoncoroniAté agora, 387 pessoas foram infectadas, e oito já morreram, enquanto 52 foram curadas

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, anunciou nesta quarta-feira (25) que, por enquanto, está suspenso o retorno de argentinos ou pessoas com residência no país que estão no exterior.

“Por enquanto, decidimos não admitir mais pessoas, por isso instruí o ministro das Relações Exteriores [Felipe Solá] para ajudar com recursos aqueles que estão no exterior até que possamos resolver esta questão. Então, imediatamente, exceto em casos excepcionais que o justifiquem, eles terão que esperar”, disse Fernández em entrevista à rede de televisão “Telefe”.

Em meio às fortes restrições impostas pelo governo para impedir a entrada de pessoas de países com altos índices de contágio pela Covid-19, no dia 18 de março a companhia Aerolíneas Argentinas — e posteriormente outras empresas — iniciou uma série de voos especiais para trazer de volta alguns dos 45 mil cidadãos do país que estavam no exterior e pediram para retornar.

Mais de 10 mil argentinos

Fontes do Ministério das Relações Exteriores afirmaram hoje que a estimativa é que pelo menos 10 mil pessoas ficaram de fora da operação de regresso.

“Por enquanto, os retornos estão suspensos, e a entrada pelas fronteiras também”, declarou Fernández, que acrescentou que estão tentando regular apenas a entrada das pessoas acima de 65 anos, grupo de maior risco. “O restante vai ter de esperar. E nós vamos prestar auxílio quando o risco na Argentina for controlável”, completou.

Quando perguntado se o Aeroporto Internacional de Ezeiza, o maior da Argentina, será fechado, o presidente respondeu que ele continuará aberto, mas não está em operação porque nenhum voo está autorizado.

Quarentena

Alberto Fernandez voltou a salientar a necessidade de cumprimento do isolamento preventivo e obrigatório ordenado pelo governo desde a última sexta-feira, situação que, em princípio, será prolongada até 31 de março. “Se nos preservarmos e ficarmos em casa, tudo será mais fácil”, enfatizou o chefe de Estado, que pediu que todos entendam que se trata de uma luta contra um inimigo invisível.

Até agora, 387 pessoas foram infectadas, e oito já morreram, enquanto 52 foram curadas. O presidente lembrou que há pessoas que podem deixar suas casas para além de fazer as compras básicas para viver ou ir ao hospital em uma emergência. É o caso de funcionários das áreas de saúde e segurança e outros trabalhadores que prestam serviços essenciais à população.

No entanto, ele reconheceu que pode haver exceções. “Deve haver alguém vivo ou estúpido que esteja violando a quarentena e saindo, infringindo as regras”, declarou.

“Hoje na cidade de Buenos Aires há mais de 200 mil pessoas trabalhando, e isso está dentro da previsão. Aqueles que são contra a quarentena, esses serão tratados pelas forças de segurança”, acrescentou.

Pico de infecções

O presidente previu que o “pico mais alto” de infecções ocorrerá entre 1º e 15 de maio. “Até lá, temos que ter todas as camas e os respiradores que precisamos”, destacou.

“Temos de saber que o contágio existirá, que o número continuará crescendo. A única coisa que temos de tratar é que a taxa de contágio é lenta, porque enquanto abrandarmos o contágio teremos a capacidade de atender de uma forma saudável”, completou.

* Com EFE